As pessoas são como flores…

Quando a gente menos espera somos um compêndio de sentimentos. Um buraco fundo, não preparado, mas que recebe uma turba d´’agua, uma cachoeira. E esta são os sentimentos. Somos formados pela raiva, medo, ódio, orgulho, paixão, encanto, alegria, assombro, festividade, luto, guerra, leveza, graça, perdão. Somos traspassados por experiências, cicatrizados por elas. As pessoas, são elas as responsáveis por tais experiências. Nós também, fazemos isto a nós mesmos. De formas boas, outras não tão boas. Outras terríveis e nos resta chorar.

Sim eu choro. Não sei exatamente o por quê, não me lembro, mas choro. E não me envergonho disto. Sei que acho bonito chorar. Às vezes penso nele como uma poesia, assim como um sorriso ao por do sol. É assim que o coração canta. E sempre há esperança de alguns dedos tentarem secar seus olhos molhados, e de uma voz sussurrando “está tudo bem, vai ficar tudo bem”.

Eu não tenho certeza, mas os homens parecem flores – são vidas frágeis. Qualquer um pode pisar e acabar com elas. Ou cheirá-las e encontrar perfume. Há uma escolha aí. Eu escolho como tratar as pessoas e escolho ser vulnerável a elas. Novamente estarei diante de um turbilhão de sentimentos. As escolhas certas irão regar a flor e a medida da raiva, do medo, do ódio, do orgulho, da paixão, do encanto, da alegria, do assombro, da festividade, do luto, da guerra, da leveza, da graça, do perdão, será dosada – quase um filete, apenas a regar. Agora o soluço se foi. É bem provável que eu pare de chorar a qualquer momento. Só não gostaria de esquecer a lição.

[Texto que “vomitei” depois de assistir “As Vantagens de Ser Invisível”. Bom filme!]

Anúncios

A música dos Ainur¹

Li certa vez uma lenda antiga, que narrava a forma como o mundo foi criado. Fiquei encantado com a narração, visto haver nela beleza e, por conseqüência disto, profunda verdade. A história conta a existência de um grande senhor soberano de nome Eru, o Único, conhecido pelos elfos como Ilúvatar, que quer dizer Pai de Tudo. Eru possuía os Ainur como seus amados servos, seres magníficos que possuíam o dom da música como suas próprias vidas. Antes que o mundo e o que era conhecido como Terra Média fossem criados houve um projeto que surgiu do mais belo canto e da mais magnífica orquestra dos Ainur, inspirados por um tema sugerido por Eru. A música era estupenda e parecia realmente dar vida a lugares onde apenas o vazio reinava. Dentre os Ainur, porém, existia um que desejou o poder de Eru e a posse da Chama Imperecível, o único elemento capaz de criar vida a partir do nada. Este Ainur tinha o nome de Melkor, e por causa de sua maldade acabou se tornando, mais tarde, o Senhor do Escuro. Por não ter acesso à Chama Imperecível, que vive dentro de Eru, durante a orquestra resolveu por acrescentar as notas dissonantes à melodia de toda a música. Isso significaria a distorção da criação da Terra após o término do projeto musical. No entanto, para espanto do próprio Melkor, Eru apossou das notas dissonantes, agregando-as à música dos outros Ainur, fazendo-as se encaixar perfeitamente, não atrapalhando o resultado final que se fez belo, refletindo o poder e a sabedoria do próprio Eru. Continuar lendo

sublime sensação

Foto: sxc.hu

Gosto dessa sensação meio adocicada. Gotas transparentes de orvalho que refratam arco-íris ao nascer do sol. Um sorriso tímido em uma pele branca, um pouco rubro de vergonha. A sensação de alegria, na velocidade dos galopes de cavalos selvagens, em uma colina totalmente verde aveludada. Sentimento aconchegante, como o calor de uma lareira em tempo de frio, acompanhada de um edredom, um chocolate quente e um bom livro. A emoção de um cobertor de estrelas, de fundo negro, meio azulado, e canção de uma lua que sorri para o mundo, que dorme em silêncio ao seu brilho. É a sensação sublime de experimentar um pedacinho do dom perfeito, que expressa a perfeição de seu criador. Melhor do que paixão, que é avassaladora, assim como o tempo de sua permanência (passageira paixão), é a serenidade do amor que cai cálido por sobre os homens e seus sonhos. É eterno, apesar de não saber aqueles que chegam a experimentá-lo. Pensam estes que tal sentimento vem apenas embrulhado em papel de seda, num tom de anil. No entanto, é bem capaz que venha amassado algumas vezes, até sujo ou empoeirado. Apesar disso, se olhado bem de perto, a imperfeição de sua capa não desvanece a perfeição do conteúdo e a eternidade de seu poder, de sustentar o mundo com um suspiro. Por esse sentimento que inspiramos e vivemos inspirados a degustar apenas parte do sentimento sublime. Sublimação, que te leva ao infinito, mesmo quando em dor, com este sentimento, é possível encontrar Deus.

Deixe seu comentário clicando aqui

perfeita canção

E se dissesse que é verdade ser o canto de uma garotinha o sonho mais emocionante de uma noite de domingo?

Como pode ter um poder tão encantador a música? Ainda mais na voz de uma criança?

Eu não sei. O que sei é que até o coração mais gélido se derreteria ao som tão calorosamente aconchegante de uma criança cantando com o coração. Não duvido ser esse poder grande o suficiente, capaz de levar adultos brutos, que se consomem e vociferam em meio a guerras estúpidas ou discussões sem sentido por causa de uma partida de futebol, a pararem no tempo, calados, por terem seus corações arrebatados por um sentimento que os constrangem a permanecer assim, mudos. Confesso que algumas lágrimas se espremeram entre os dedos do meu orgulho, que preferiu não deixar evidente quão bobo fico ante a situações como esta. Fui tolo, claro. Mas creio não ter deixado passar a mensagem. Graças a Deus! A mensagem de que os céus ainda anseiam por ver os olhos da humanidade bem abertos, para contemplar milagres gloriosos, espetáculos de artifícios coloridos e sonhos majestosos, todos eles guardados em coisas simples: a bela e grande lua cheia que se levanta no céu de outono, a borboleta que corta o vento e emudece o transito infernal, o canto do coração de seres singelos, como o de crianças.

Não é por acaso que um poeta da antiguidade já, em seu tempo, percebeu ser obra divina a força que sai do choro e do canto desses pequenos seres. Sinal de que Deus não desistiu de seus sonhos. Boa essa esperança!

Foi lindo o vôo que experimentei essa noite. Foi lindo ver um pouquinho da luz de Deus, no momento em que arrisquei pedir mesmo que Cristo abrisse meus olhos (e isso embalado por uma garotinha e sua meiga voz)… Foi lindo…

Para comentar clique aqui